quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

DICAS PARA PESCA EMBARCADA (linha de fundo) DE GAROUPAS EM PARCEIS:

Olá pescadores, aqui vai mais uma dica de pesca oceânica: Garoupa!


A profundidade de maior incidência de ‘pegadas’ de garoupas grandes (acima de 5 kg) que constatei durante incontáveis pescarias em parceis (P. do Una, P. Brasília – L. da Conceição, E, S e SW – L. de Santos, W – Alcatrazes) sempre ficou entre 11 a 22 mts.

Somente verifiquei a exceção no canal de Ilhabela para, exclusivamente, garoupas São Tomé e Rosas, que habitam normalmente maior profundidade – a partir de 40 mts.

A melhor época do ano para sua pesca normalmente é de outubro à março, porém, em menor quantidade, é possível pescá-la o ano todo.

A melhor isca, indubitavelmente, é a sardinha verdadeira e fresca (nunca congelada).
Também concluí que há indissolúvel relação entre o tamanho/quantidade da isca com o tamanho da garoupa.
Garoupa grande, isca grande!

Para tanto, as linhadas devem ter um diâmetro entre 120 mm (mínima) a 160 mm, de preferência incolor – evite as coloridas.
Não há como ferrar e trazer na ‘marra’ (senão entoca) uma garoupa de bom tamanho com linhadas com diâmetro menor de que 120 mm, sem risco de cortar a mão ou ‘estourar’ a linha (Então tome muito cuidado).

A chumbada dependerá exclusivamente da correnteza e profundidade existente no local e no momento, mas seu modelo deverá ser o oval – com o furo transpassando-a de ponta a ponta.
Poderemos até mesmo desprezar a utilização de chumbadas, que seria o ideal, porém, as condições normalmente encontradas demonstram a necessidade da sua utilização. O ideal é a chumbada escolhida permita sempre que a linhada vá constantemente caminhando, se arrastando, vagarosamente ao fundo, no sentido da correnteza. Desta forma irá cobrir uma área maior em busca da desejada ‘grouper’.

Nunca deixe a linha tencionada, sempre meio frouxa, ‘embarrigada’.
A garoupa grande sempre que ‘chegar’ à isca, irá se apresentar com um inicial, pesado e forte tranco e em hipótese alguma tente ferrá-la nesta ocasião. Deixe-a retornar à isca, deixe-a puxar bem, deixe-a carregar um pouco da linhada, uns 2 mts e, quando sentir que os beliscões ficaram constantes e pesados, fisgue-a com força e puxe imediata e vigorosamente a linhada para cima, senão ela ‘entocará’ e você perderá o grande e esportivo troféu.

O modelo do anzol vai de gosto, porém nunca menos que 8/0 e no meu caso, acabei por me dar bem com o modelo curvo fechado (circle hook).
Lembre-se, garoupa grande, isca grande – use ao menos 4 (quatro) sardinhas inteiras a cada iscada e funciona até mesmo se fisgadas somente pelos olhos.

Uma boa alternativa de consorciamento de iscas é a lula pequena (até uns 15 cm) e uma só, quando acompanhada com as 4 sardinhas que indiquei como boa quantidade de isca.
Camarão, bonito, savelhas, parati, tainha, etc., são iscas secundárias e certamente desprezadas pelas garoupas se comparadas as inigualáveis sardinhas frescas e verdadeiras.
A linhada deverá ser feita, utilizando-se de chumbada oval, solta na linha, com apenas um anzol posto por último.
Isto irá permitir que a chumbada permaneça ao fundo e o anzol que estará preso a linha, possa ‘passear’ pelas rochas e cascalhos do fundo oceânico, assim atrindo a garoupa.

Espero ter sido útil.

Boa pesca!

Próximas dicas de pesca: 1- Olhete e Olho-de-Boi, 2- Lula, e, 3- Badejo Quadrado.

2 comentários:

juliano disse...

ola zeca
por acaso já pescaste no parcel do carpinteiro?
fica proximo da costa de rio grande RS

Zeca - Jose Carlos disse...

Bom, nunca pesquei, mas do que entendo, parceis são grandes sinais de peixes bons de briga.

Você deveria vir a para a nossa pesca, que é entre Vitória-ES e Santos-SP, aqui sim eu sei que é bom